Ducci destaca eficácia da CoronaVac

O deputado federal Luciano Ducci (PSB) destacou nesta quarta-feira, 13, a eficácia da vacina CoronaVac, segundo resultados divulgados pelo Butantan. “Estamos diante de um resultado que comprova que a vacina produzida pela Sinovac é segura e nos protege de adoecer gravemente, de precisar de UTI, por exemplo. O que melhora a situação de todo o nosso sistema de saúde também”, escreveu nas redes sociais.

Segundo os resultados da pesquisa, divulgados pelo Butantan, a CoronaVac tem eficácia global de 50,38%, mais do que o mínimo exigido pela Organização Mundial da Vacina (OMS) e Anvisa que é de 50%. Sobre o que esperar da vacina, Ducci explicou como se dará a imunização.

“Com eficácia global de 50,38%, metade das pessoas que receberam a vacina não terá covid-19, 78% de eficácia, significa que cerca de 22% dos contaminados poderão ter sintomas moderados. Quando possui 100% de eficácia para casos graves, nenhum dos vacinados têm potencial de adoecer gravemente”, explicou.

Detalhes dos estudos clínicos revelam que a eficácia global da vacina considera os efeitos de imunização contra todos os tipos de infecção, ou seja: casos assintomáticos, leves ou graves, sem recorte de grupo. “Precisamos confiar na ciência e continuarmos com os cuidados, pois os casos e mortes ainda estão longe do controle. Essa vacina é a esperança para muitos brasileiros, estamos confiantes”, reiterou Ducci.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.

Pobreza extrema pode voltar a atingir mais de 20 milhões de pessoas com o fim do auxílio emergencial

Com o fim do auxílio emergencial em dezembro e sem a garantia de extensão do benefício, uma taxa de 10% a 15% da população brasileira deve ser atingida pela extrema pobreza a partir deste mês.

De acordo com cálculo do economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas, a proporção de pessoas que estarão em situação de pobreza extrema, quando a renda é de até 1,90 dólar por dia, pode dobrar em relação a 2019, quando a taxa foi de 6,5% da população, ou 13,7 milhões.

Leia mais em Carta Capital.