Perdas da Copel com “gatos” em Foz chega a 7% enquanto média do estado é 3%

O Jornal da Cultura entrevistou nesta sexta-feira, 04, o Gerente da Copel em Foz do Iguaçu, Júlio Ramires. O gerente comentou sobre a bandeira vermelha, que passou a valer no mês de dezembro, e deu dicas para redução de gastos com energia elétrica nesse período.

De acordo com o gerente, o consumo médio de energia em Foz do Iguaçu é de 220kwh. Porém ele salienta que a cidade tem uma tarifa diferenciada devido ao calor. “A tarifa em Foz é diferenciada porque enquanto em outros lugares é possível viver sem ar-condicionado, em Foz não” explicou. “Nas outras cidades as unidades com ar chegam a 40% em Foz está entre 70% e 80%” afirmou.

Porém, Ramires ressaltou que Foz do Iguaçu é uma das cidades onde a Copel mais tem perdas com os chamados “gatos” ligações irregulares, que acabam impactando no preço final da energia. Segundo Ramires, as perdas da empresa em Foz chega a 7%, enquanto a média no estado é de 3%. “Na nossa região, principalmente em Foz, o valor é maior em função das áreas de invasão, função dos furtos e procedimentos irregulares, e isso efetivamente retorna para a tarifa” destacou.

Bandeira Vermelha

Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) estabeleceu bandeira vermelha 2 para o mês de dezembro. Segundo Ramires, a medida aumenta o preço da energia em 7 reais a cada 100kwh. “Ou seja, se uma unidade consumidora utiliza 300kwh, ele vai pagar 21 reais a mais na conta em função dessa bandeira” explicou.

Matéria por Josué Calebe para Radio Cultura Foz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Hospital Universitário, 82% dos leitos de UTI estão ocupados

O informe da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) emitido na noite de sábado (9) indica que dos 114 leitos da Ala Covid do Hospital Universitário (HU), 94 estavam com pacientes. Desses, 69 foram positivados para a doença, 5 negativados e 20 aguardam os resultados dos exames.

Na Ala Covid, existem 46 Unidades de Terapia Intensiva (UTI), 37 estão com pacientes. Na Enfermaria são 64 leitos, 54 estão ocupadas. Dos quatro leitos emergenciais, três estão com pacientes. Nem todos os hospitalizados são de Ponta Grossa. O HU é a unidade de referência regional da doença e recebe pacientes SUS de várias cidades. As informações são do Walter Téle Menechino – dcmais.

Na pandemia, feminicídio cresce no Paraná e 32 mulheres são mortas em 2020

Tatiana, Ana Paula e Evelaine. Cada um desses nomes representa um universo de mulheres com histórias de violência, medo e insegurança. Em comum, se tornaram vítimas de covardes em 2020 e entraram no triste número de casos de feminicídio no Paraná. Aliás, dados da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP) apontam que de janeiro até setembro do ano passado, 32 mulheres foram assassinadas. Para piorar o quadro, especialistas alertam que o número vai crescer após a pandemia do novo coronavírus.

Leia mais em Tribuna Paraná.