Universidades Estaduais definem calendários acadêmicos para 2021

As universidades estaduais do Paraná se destacaram na avaliação do Índice Geral de Cursos (IGC) 2019 divulgado pelo Ministério da Educação (MEC). O conceito avalia anualmente a qualidade dos cursos de graduação e pós-graduação (mestrado e doutorado) ofertados em universidades, centros universitários, faculdades e institutos tecnológicos das redes pública e privada.

O resultado final do IGC, divulgado na última sexta-feira (23), é composto por cinco faixas que variam de 1, a nota mais baixa, a 5, o conceito máximo. Ao todo, 2.070 instituições públicas e privadas, que envolvem 24.145 cursos de 100 áreas do conhecimento, foram avaliadas.

As universidades estaduais de Londrina (UEL), Maringá (UEM), Ponta Grossa (UEPG), do Oeste do Paraná (Unioeste), do Centro-Oeste (Unicentro) e do Norte do Paraná (Uenop) conquistaram conceito 4. A Universidade Estadual do Paraná (Unespar) ficou com conceito 3.

“Essa classificação evidencia um crescimento qualitativo das nossas universidades estaduais no cenário nacional. Sabemos que a comunidade acadêmica das instituições tem se esforçado para garantir uma formação de qualidade para os nossos alunos, além de desenvolverem pesquisas científicase ações de extensão, que contribuam com o desenvolvimento do Estado”, destacou o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Aldo Bona.

O diretor de Avaliação Institucional da Pró-Reitoria de Planejamento e Avaliação Institucional da Uenp, Daniel Trevisan Sanzovo, afirma que a análise do gráfico do IGC da instituição demonstra que o indicador vem crescendo desde 2014.

“É importante destacar que, assim como foi primordial alcançarmos a faixa 4, é de suma importância permanecer nessa faixa e avançar para a 5. Como os IGCs contínuos mostram, estamos nesse momento de consolidação na faixa 4 para, posteriormente, avançarmos até a faixa 5”, explicou.

PROTAGONISMO 

Entre as universidades estaduais brasileiras, a posição do Paraná é de protagonismo. A UEL aparece como a 4ª melhor estadual do Brasil, seguida pela UEM em 6ª, Unicentro em 7ª e Unioeste em 8ª posição. Fechando a lista das 25 melhores estão: UEPG em 11ª, Uenp em 17ª e Unespar na 24ª colocação.

“O sistema estadual de ensino superior público do Paraná se consolida na faixa 4 do IGC, demonstrando o protagonismo das instituições. Estamos sempre buscando melhorar e qualificar a formação de pessoas, as pesquisas e todo o trabalho da universidade”, destacou o reitor da UEM, Julio César Damasceno.

No comparativo com as universidades, faculdades e centros universitários públicos e privados do Paraná, as estaduais também estão entre as 21 melhores. A UEL ficou em 3º, a UEM em 4º, Unicentro em 5º e Unioeste em 6º. A UEPG aparece em 17º e a Uenp em 21º lugar.

A diretora de Avaliação e Informação Institucional da Pró-reitoria de Planejamento (Proplan), Elisa Emi Tanaka Carloto, avalia que essa expansão do IGC 2019 está ligada ao comportamento dos colegiados de cursos, que passaram a dar maior atenção aos critérios de avaliação interna.

“É um trabalho conjunto feito nos últimos anos. Os apontamentos do MEC orientaram as reformulações curriculares. Também foram consideradas as orientações da Capes, incorporadas aos programas de pós-graduação”, ressaltou.

CÁLCULO 

O cálculo matemático para chegar ao IGC leva em conta os seguintes aspectos: a média do Conceito Preliminar de Curso (CPC), considerando o último ciclo do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) como referência; a média dos conceitos de avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu, atribuídos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) na última avaliação trienal; e a distribuição dos estudantes entre as diferentes etapas de ensino superior (graduação ou pós-graduação stricto sensu).

Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

UFPR está entre as melhores universidades do Brasil, aponta MEC

O Paraná registrou o menor número de novos casos de coronavírus desde novembro na semana, entre 18 e 24 de abril. Neste período, foram registradas 14.508 novas pessoas contaminadas, segundo o Boletim Epidemiológico publicado neste domingo (25) pela Secretaria da Saúde. A última vez que o patamar de casos esteve abaixo da casa dos 15 mil foi na semana de 1º a 7 de novembro de 2020, quando foram registrados 11.151 casos. Os números levam em consideração a data das confirmações, e não a sua divulgação.

O Estado teve um pico no número de contaminados pelo vírus na 9ª semana epidemiológica de 2021 (que, segundo o calendário estabelecido pelo Ministério da Saúde, vai de 28 de fevereiro a 6 de março), com 38.586 novos casos. Na sequência, os registros diminuíram por cinco semanas consecutivas, mas ainda apresentam números bastante expressivos. A semana 10 (7 a 13 de março) teve 37.321 casos; a semana 11 (14 a 20 de março), 36.114 casos; a semana 12 (21 a 27 de março), 32.565 casos; a semana 13 (28 de março a 3 de abril), 21.511 casos; e a semana 14 (4 a 10 de abril), 18.957 casos.

Na 15ª semana, entre 11 e 17 de abril, houve uma alta de 1,77%, aumentando o número de contaminados para 19.293. Finalmente, na 16ª semana epidemiológica, entre 18 e 24 de abril, os registros voltam a apresentar retração, chegando aos 14.508 casos. O número representa uma queda de 24,8% com relação à semana anterior.

A redução é confirmada também pelo índice que apresenta a média móvel de casos por data de diagnóstico. No dia 24 de abril, a média móvel registrada foi de 2.072 novos diagnósticos. O número é 23,5% menor que a média dos 14 dias anteriores. A retração é interpretada como um reflexo das medidas de restrição aplicadas pelo Estado e pelos municípios.

TAXA DE TRANSMISSÃO 

Apesar do cenário mais positivo, a recomendação é de manter a precaução e continuar seguindo protocolos de segurança e distanciamento. Atualmente, a taxa de transmissão (Rt) do vírus no Estado, segundo o Laboratório de Estatística e GeoInformação da Universidade Federal do Paraná (LEG/UFPR), está em 0,95. O dado quer dizer que 100 pessoas contaminadas infectam outras 95 – o que gera uma redução do número de contaminados, mas em uma velocidade lenta e que favorece a continuidade da transmissão do vírus.

Já o sistema Loft.Science, também dedicado a calcular a Rt no País, aponta uma taxa de 0,92 para o Paraná – a 5ª menor no Brasil, atrás de Minas Gerais (0,84); Amazonas (0,89); São Paulo (0,89) e Santa Catarina (0,9).

REGIONAIS 

A queda no número de casos foi observada em todas as macrorregionais do Paraná. A maior redução foi observada na Regional Leste, com 27,61% de decréscimo em relação à semana anterior, chegando a 6.531 casos. No entanto, esta também foi a única regional a apresentar uma alta entre as semanas 14 (8.058) e 15 (9.022).

Já as regionais Oeste e Noroeste apresentam queda pela sétima semana consecutiva. No Oeste, o decréscimo é de 26,15% desde a última semana, com 2.468 casos registrados. No Noroeste, a redução foi de 21,22%, com 2.324 novos casos. A regional Norte, por sua vez, está na quinta semana consecutiva de retração. Com 3.185 novos casos, ela apresenta uma redução de 19,95% entre as semanas 15 e 16.

ÓBITOS 

Assim como o total de diagnósticos, o número de óbitos também vem apresentando retração no Paraná. A 16ª semana epidemiológica teve redução de 47,86% com relação à semana anterior. Foram 426 mortes por coronavírus registradas no Estado nestes sete dias.

Essa é a quinta semana consecutiva de redução no número de óbitos. O maior número registrado se deu na semana 11, com 1.553 mortes. Na semana 12, foram 1.521; na 13, 1.195; na 14, 984; e na semana 15, 817 mortes.

Com isso, a média móvel de óbitos também apresentou decréscimo: em 24 de abril, o índice registrava média móvel de sete dias de 60 óbitos. A redução é de 56,7% com relação a 14 dias antes. Até esta segunda-feira (26), apenas três municípios não haviam apresentado óbitos no Estado: Boa Esperança do Iguaçu, Nova Aliança do Ivaí e Santo Antônio do Paraíso.

PANORAMA 

Desde março de 2020, o Paraná já registrou um total de 923.441 casos de coronavírus e 21.421 mortes decorrentes da Covid-19. O percentual de ocupação nas UTIs permanece acima de 90%.

VACINAÇÃO 

Uma variável que está por trás desse cenário também é o avanço da vacinação. Até a manhã desta segunda-feira, 1.616.131 paranaenses foram imunizados dentro de nove grupos prioritários, que incluem idosos, indígenas, profissionais da saúde e trabalhadores das forças de segurança e salvamento. A imunização completa reduz os riscos de manifestação das formas graves da doença.

“Precisamos da colaboração dos municípios para acelerar ainda mais a aplicação das vacinas. Quanto mais os paranaenses forem vacinados, menos ficarão doentes e mais rápido venceremos esta pandemia”, explica o secretário estadual de Saúde, Beto Preto.

Source link

Unioeste abre inscrições para 1.230 vagas em 65 cursos de graduação

O Ministério da Educação prorrogou para quarta-feira, dia 14 de abril, o prazo para o término das inscrições no Sistema de Seleção Unificada (SiSu).

No Paraná, a Universidade Federal (UFPR) disponibiliza no total 1.227 vagas em 110 cursos de graduação, em todas as áreas do conhecimento, nas cidades de Curitiba, Matinhos, Pontal do Paraná, Jandaia do Sul, Toledo e Palotina.

Regras para participar do Sisu 2021

Para se inscrever no Sisu, o estudante precisa ter feito o último Enem e ter obtido nota maior que zero na redação. Não podem participar estudantes chamados de “treineiros”, isto é, aqueles que ainda estejam cursando ou não tenham concluído o ensino médio, segundo a definição do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

O processo seletivo do Sisu acontece duas vezes ao ano com chamamento para universidades públicas do Brasil. Com uma única inscrição, os candidatos podem escolher duas opções de curso em instituições federais de todo o País. Os estudantes são selecionados de acordo com a nota do Enem, que leva em conta o número de vagas de cada curso, nota de corte, a modalidade e a concorrência.

As instituições de ensino também podem adotar notas mínimas e pesos diferentes para as quatro áreas de conhecimento do Enem – Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Linguagens e Matemática. Em um curso de Física, por exemplo, não é incomum que se atribua mais peso à nota de Ciências da Natureza e uma nota mínima para Matemática, por exemplo.

Assim que o resultado é divulgado, o estudante selecionado para a sua primeira ou segunda opção deve ficar atento aos prazos para fazer a matrícula. Há, ainda, a opção da lista de espera. Nesta, só pode participar quem não foi selecionado em nenhuma das opções na chamada regular.

Como se inscrever no Sisu 2021

1. Faça o Login Único do governo federal, O acesso ao sistema de inscrição do Sisu deve ser feito com o Login Único do governo federal.

2. Confirme seus dados. Antes de começar, a organização do Sisu recomenda que você confira seus dados. A ideia é garantir que estejam corretos e atualizados. Assim que a confirmação estiver completa, você pode começar a sua inscrição.

3. Efetue a inscrição. Assim que você atualizar suas informações pessoais, é hora de começar a inscrição. Em uma nova tela, você deve escolher até duas opções de curso. Depois, é só clicar em “fazer inscrição na 1ª opção”. É também nesse espaço que você poderá acompanhar o status do cadastro durante todo o processo seletivo.

4. Pesquise e conheça as vagas. Em um campo com lupa, você vai pesquisar as vagas disponíveis nas universidades cadastradas para a opção de curso que você marcou. Você pode filtrar pelo nome do município, nome da instituição e nome do curso. Assim que obtiver o resultado das buscas, você poderá conhecer os detalhes e as modalidades disponíveis clicando em cada opção.

5. Escolha a modalidade. As modalidades de inscrição nada mais são do que o tipo e vaga para o qual você vai concorrer. Você vai encontrar três delas: ampla concorrência, lei de cotas e ação afirmativa. Em cada uma, a nota de corte – a menor nota para ficar entre os selecionados – varia. A organização do Sisu recomenda atenção redobrada na leitura de cada descrição: observe, por exemplo, as informações de como comprovar as ações afirmativas na matrícula, caso seja selecionado. Ao definir a opção viável, clique em “escolher esta modalidade”.

6. Confirme a inscrição. O último passo é conferir as informações do curso e da modalidade que você escolheu, assim como a documentação que vai ser exigida pela universidade no momento da matrícula. Se tudo estiver correto, clique em “confirmar minha inscrição”. Depois que a sua inscrição estiver confirmada, você vai voltar para a página inicial, onde poderá consultar todos os dados escolhidos e cadastrados. E lembre-se: durante o período das inscrições, que vão até sexta-feira, dia 9, você poderá alterar suas opções. Após esse prazo, o registro final será o da última atualização.

Source link